Resenha - Fique onde está e então corra, de John Boyne


Livro: Fique onde está e então corra / Autor: John Boyne
Editora: Seguinte / Gênero: Literatura Estrangeira
Páginas: 224 / Ano: 2014
Skoob


Disseram que ia acabar antes do Natal. Só não disseram qual Natal.

    Minha curiosidade pelos livros de John Boyne surgiu assim: certa vez estava zapeando pela TV e ia começar um filme chamado - O menino do pijama listrado. Lembro que o nome do filme me deixou tão curiosa e como eu não ia fazer nada naquela tarde, resolvi me acomodar no sofá, esquecer da vida lá fora e curtir um bom filme. Só não imaginava que esse filme fosse ficar marcado PARA SEMPRE na minha memória. Gente! Sério, que filme mais intrigante, mais envolvente, mais aterrorizante de todas as formas, mais singelo, mais puro! Quem nunca se atreveu a ver o filme / ou ler o livro, recomendo muito. É aquele tipo de filme / livro que vai mudar sua vida para sempre. Que vai mostrar que seus problemas são do tamanho de um grão de areia. Que nada é mais terrível do que a guerra, e que o Holocausto foi um monstro gigante que minou centenas de pessoas da face da terra, que só trouxe lágrimas e feridas. 

    Bom, por causa do filme, que já faz alguns anos que assisti, descobri depois de algum tempo que na verdade ele foi primeiro um livro e teve sua adaptação para o cinema. 

Comecei a pesquisar sobre o autor do livro e tive vontade de ler tudo o que ele tinha escrito, tamanha foi minha comoção no filme. Mas na época eu estava fazendo faculdade e o tempo era curto para leituras de lazer. Quando a vida ficou menos corrida, me atrevi a começar a ler os livros dele.

  
    E comecei por este aqui. "Fique onde está e então corra". Um livro que me prendeu desde o título. O cara para escrever um título destes tem que ser muito inteligente. É um título que te faz ficar curioso, que te faz querer desvendar o livro, a leitura.

Margie voltou para o corredor, ofegante, mas Alfie continuou na porta. Ele ficou de olho enquanto os dois soldados seguiam devagar pela rua. Agora todas as portas estavam abertas. E em cada uma havia uma esposa e uma mãe. Algumas choravam, outras rezavam. Algumas sacudiam a cabeça, desejando que aqueles homens não parassem diante delas".

     E o livro traz a história de Alfie e sua família. Alfie nasceu em meados da Primeira Guerra Mundial e é com muita tristeza que sua família se vê condenada para sempre após o alistamento para a guerra do pai de Alfie. O pai de Alfie acredita que seu alistamento é questão de honra, estará defendendo o seu país. Mas os anos passam e a Guerra não acaba, Alfie convivendo sempre com a promessa de que seu pai vai retornar e não retorna. A vida de toda sua família muda, sua mãe precisa trabalhar ainda mais como enfermeira para conseguir trazer um pouco de dinheiro para dentro de casa. Alfie conta os Natais, conta moedas, conta a comida que começa a ser escassa e logo não vê outra alternativa a não ser engraxar sapatos para ajudar. Alfie vai escondido da mãe, falta da escola e engraxa sapatos por um longo período na King's Cross. É engraxando os sapatos de um sujeito que descobre que seu pai não está mais em batalha na guerra, nem em uma missão secreta como todos o fazem acreditar. Seu pai está em um hospital. Na ala da psiquiatria clínica, se recuperando do que viu na guerra. Alfie não entende porque o pai está em um hospital e não em sua casa, com sua família. Por que ele deveria estar em um hospital? Não faz sentido! Alfie precisa trazê-lo de volta para casa. E precisa ser logo. 


- O mundo é imenso, não é? - disse Georgie. - Você acha que nos outros planetas todo mundo se odeia também?
     
     É um livro tão tocante, tão angustiante acompanhar os pensamentos de Alfie, seus esforços em procurar pelo pai, seus planos de resgate, sua ida até o hospital psiquiátrico sozinho para que ninguém desconfie, um garoto que como toda a sua família sente diariamente os males causados por uma guerra que só sabe ferir. Estes retratos de histórias sobre guerras só me fazem pensar em quanto são desnecessárias. O quanto causam dor. Um livro que vale à pena, que vai ficar gravado na minha memória para sempre. 

Ele tinha feito pela melhor razão do mundo. Por amor". 


Sinopse: Em meio às tragédias da Primeira Guerra Mundial, o amor é a única arma de um garoto para curar seu pai. Alfie Summerfield nunca se esqueceu de seu aniversário de cinco anos. Quase nenhum amigo dele pôde ir à festa, e os adultos pareciam preocupados — enquanto alguns tentavam se convencer de que tudo estaria resolvido antes do Natal, sua avó não parava de repetir que eles estavam todos perdidos. Alfie ainda não entendia direito o que estava acontecendo, mas a Primeira Guerra Mundial tinha acabado de começar. Seu pai logo se alistou para o combate, e depois de quatro longos anos Alfie já não recebia mais notícias de seu paradeiro. Até que um dia o garoto descobre uma pista indicando que talvez o pai estivesse mais perto do que ele imaginava. Determinado, Alfie mobilizará todas suas forças para trazê-lo de volta para casa.

“Assim como em O menino do pijama listrado, Boyne conduz os leitores pelas agonias da guerra através do olhar de uma criança.”
School Library Journal

“Uma história vívida e acessível sobre o preço altíssimo que a guerra obriga os inocentes a pagar.”
Kirkus Reviews 




4 comentários:

  1. Michelle!
    Conheci seu blog agora e já gostei porque essa resenha é amor
    eu li esselivro no ano passado senão me engano e tipo, é muito lindo!!!! É triste mas e lindo e o John Boyne é demais hahah
    Realmente é um livro tocante e que nosso coração transborda de sentimentos <3

    estou com o garoto no convés pra ler dele também :3 Ja leu /

    o guerra civil que eu estou lendo é historia corrida, não e quadrinhos não hehehe
    Um beijo!
    Pâm - www.interruptedreamer.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há Pâm, legal! fiquei com vontade de ler o guerra civil, vou procurar para comprar.

      Também estou com o Garoto do Convés para ler, está na lista de leitura desse ano, vamos ver se consigo!
      Obrigada pela visita!
      Abraços!

      Excluir
  2. Oi, Michelle!
    "O menino do pijama listrado" também foi muito marcante pra mim. Eu li o livro primeiro e aquele final me deixou uns segundos parada, sem acreditar. "Fique onde está e então corra" já está na minha lista de desejados faz tempo, porque assim como você fiquei com vontade de ler mais coisas do autor. Gosto muito de livros narrados por crianças, acho que dá uma visão mais pura mesmo para acontecimentos tão sérios como guerras. Espero ler em breve.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carla! Também concordo com você...
      livro narrado por crianças sempre me emocionam.

      Obrigada pela visita!
      Abraços!

      Excluir
:) :,( ;) :D :-/ :? :v X( :7 :-S :(( :* :| :-B ~X( L-) =D7 :-w s2 \m/ :p kk