Resenha : Onze leis a cumprir na hora de seduzir, de Sarah MacLean


Livro: Onze leis a cumprir na hora de seduzir
Os número do amor - livro 3
 Autor (a): Sarah MacLean
Editora: Arqueiro / Gênero: Romance de Época
Páginas: 336 / Ano: 2017
Skoob

        Olá gente, tudo legal aí com vocês? Espero que sim! Hoje a resenha que trago aqui para o blog é do terceiro livro da série Os números do amor, o mais novo lançamento da editora Arqueiro. Onze leis a cumprir na hora de seduzir escrito por Sarah MacLean, uma grande querida dos romances de época. A resenha a seguir foi feita pela colaboradora aqui do blog Ana Paula dos Santos, que ama romances de época e que se apaixonou por essa série. Vamos conferir? 

          Há séries que nos encantam, e “Os números do Amor” é uma que me encantou. Os dois primeiros livros (Nove regras a ignorar antes de se apaixonar e Dez formas de fazer um coração se derreter), que contam as histórias dos gêmeos Gabriel e Nicholas, para mim, foram excelentes, em especial o primeiro – gostei muito da trama estilo “Betty, a feia” espirituosa e divertida -, e aguardei ansiosamente o desfecho da história destes três irmãos nem um pouco convencionais para a época.


          O terceiro livro, Onze leis a cumprir na hora de seduzir, narra a história de amor de Juliana e Simon, o duque de Leighton. Juliana, meia-irmã dos gêmeos, é uma jovem destemida, divertida e que gosta de conjugar verbos para controlar o nervosismo, mas que já chegou à Inglaterra rotulada pelo fato de ser filha da marquesa de Ralston que havia abandonado o marido e os filhos e fugido para a Itália, onde viveu com outro homem e teve Juliana, a quem também abandonou, e tem um certo faro para se meter em confusões.


          No início da trama, Juliana tem um problema com um nobre bêbado no jardim da casa Ralston na noite de um baile, e vê-se obrigada a se defender socando o nariz deste nobre, coisa que uma dama não faz, pelo menos não as inglesas, e é obrigada a se esconder em uma carruagem sem saber que se tratava da carruagem do duque de Leighton, e não tem tempo de sair dela antes de ele ir embora do baile que acontecia na casa. É aí que acontece o primeiro “confronto” entre os dois. Vendo que ela está machucada, o duque cuida dela em sua casa, e Gabriel é obrigado a buscar a irmã na casa do duque. Apesar de não gostarem muito um do outro, Gabriel acaba pedindo-lhe ajuda para manter Juliana longe de encrencas, e Leighton acaba concordando.

As “damas” da sociedade gostam de falar mal de Juliana. Fofoca é praticamente um hobby, e muitas vezes Juliana pega pessoas falando dela pelas costas, o que a deixa muito insegura com o fato de ser ou não aceita pela sociedade, apesar de ser, normalmente, confiante. Tanto que acaba acreditando que deve ser igual à mãe, coisa que ela não gostaria que fosse verdade. Já o duque de Leighton precisa casar-se com alguém de reputação irretocável para tentar minimizar o fato de sua irmã, uma jovem que nem foi apresentada à sociedade ainda, estar grávida. A imagem de sua família, inabalável até a sua geração, estará para sempre destruída. Para isso, escolhe Lady Penélope Marbury, que é filha de um duplo marquês.


Um dia, em um baile, após ver o duque dançando com Lady Penélope, a quem apelida de Uva, Juliana vai à sacada sozinha, e Simon vai atrás dela para alertá-la de que isso não é bom para a sua reputação, e é aí que Juliana lança o desafio de mostrar-lhe que nem mesmo um duque frio pode viver sem emoção. Se ele não conseguir resistir, sua reputação estará em risco. O prazo, duas semanas. Um quer ensinar ao outro uma lição: ela, a de que as emoções são importantes e guiam-nos; ele, a de que a reputação sempre triunfa. Já no dia seguinte, Juliana coloca seu plano em prática. Simon a vê cavalgando bem cedo... livre e como um homem, o que para ele não é apropriado, e, para ela, natural. Juliana sai em cavalgada, e Simon vai atrás dela furioso pelo modo imprudente como cavalga, e acabam se beijando. Um beijo cheio de desejo e adrenalina. Para ele, ela é como uma feiticeira.

Quando ele viu aqueles lábios exuberantes e largos ligeiramente abertos, implorando por ele, não conseguiu resistir. E nem tentou.

           O beijo, porém, não impede Simon de falar com o pai de Penélope sobre casar-se com ela, o que é um desejo de sua mãe. Quando retorna para casa, encontra um bilhete enviado por Juliana para que vá encontra-la no lago Serpentine. Juliana e sua acompanhante ficam lá esperando por muito tempo. Quando decidem ir embora, a touca de Juliana é levada pelo vento e cai na água. Juliana tenta pegá-la, e cai na água. Sua roupa é muito pesada, e ela não consegue sair da água. Quando já pensava que iria se afogar, é salva por Simon, que chega bem atrasado a este encontro. Apesar de feliz por ter chegado a tempo, ele está furioso pelo perigo que ela correu. A forma como um fala com o outro é engraçada pois ele parece uma mãe sempre repreendendo o filho que apronta, e ela, o filho que sempre tenta justificar que tinha plena consciência do que fazia, apesar de não ter saído conforme o planejado.


            Ao longo do livro, há outras situações nas quais o leitor percebe que o quanto eles se gostam, e o quanto Simon luta contra esse sentimento pois tem um dever para cumprir com a sua família. Não tem como não nos imaginarmos dentro da história, pois os personagens são muito encantadores. Callie, esposa de Gabriel, é uma personagem da qual gosto muito, tem a ideia de oferecer a Simon um jantar em agradecimento por ter salvo Juliana, e é neste jantar que a antiga Marquesa de Ralston, mãe de Gabriel, Nicholas e Juliana, reaparece chocando a todos e aumentando o falatório sobre a família.


                Ela estava igualzinha. Alta e elegante e tão intocável quanto da última vez em que Juliana a vira.

         Confesso que não se passou pela minha cabeça que a mãe deles apareceria na trama, mas foi muito bom que a autora a tenha trazido de volta à casa Ralston para sacudir um pouco a trama. Pena que isso signifique mais um escândalo com o qual Juliana e seus irmãos têm de lidar.

                
          Na noite em que Simon anunciará seu noivado, Juliana revela a ele que gosta dele, e ele, finalmente, revela também gostar dela. Beijam-se e deixam-se levar pela paixão, o que ele jura dizer ser pela última vez. É um momento em que ele se deixa levar completamente pela paixão, não pela razão.


                Ele a agarrou, adorando-a com lábios e língua e a sugestão maliciosa de dentes conforme suas mãos passeavam pelo seu corpo...

               Ao longo da história, descobrimos o porquê de Simon ser tão racional ao ponto de ser quase frio em relação a coisas que, normalmente, são movidas pela paixão e pela emoção, temos ainda a esperada conversa de Juliana com sua mãe – descobrimos o porquê de ela ter voltado, há o nascimento da sobrinha de Simon, a reconciliação dele com a irmã. Será que Simon conseguirá passar por cima de tudo o que acreditou desde criança para viver a sua grande história de amor? O que será que será mais forte para ele? Conseguirão passar por cima dessas crenças para serem felizes?



               Onze leis a cumprir na hora de seduzir fecha a série Os números do amor de forma divertida com uma personagem principal forte que faz jus às suas raízes italianas. A série é um deleite e vale muito a pena ser lida. Apesar deste não ser o meu favorito da série (o primeiro é demais), amei ler o livro. A leitura é rápida, fácil, e faz-nos pensar que muitas vezes pensamos demais, e precisamos deixar-nos levar pela paixão em muitos momentos. Afinal, como sermos felizes sem emoção em nossas vidas?


Sinopse:
Juliana Fiori é uma jovem ousada e impulsiva, que fala o que pensa, não faz a menor questão de ter a aprovação dos outros e, se necessário, é capaz de desferir um soco com notável precisão. Sozinha após a morte do pai, ela precisa deixar a Itália para viver com seus meios-irmãos na Inglaterra.

Ao desembarcar no novo país, sua natureza escandalosa e sua beleza estonteante fazem dela o tema favorito das fofocas da aristocracia. Pelo bem de sua recém-descoberta família britânica, Juliana se esforça para domar seu temperamento e evitar qualquer deslize que comprometa o clã. Até conhecer Simon Pearson, o magnífico duque de Leighton.

O poderoso nobre não admite nenhum tipo de escândalo e defende o título e a reputação da família com unhas e dentes. Sua arrogância acaba despertando em Juliana uma irresistível vontade de desafiá-lo e ela decide provar a ele que qualquer um – até mesmo um duque aparentemente imperturbável – pode ser levado a desobedecer as regras sociais em nome da paixão.


Outros livros da série, que antecedem esse:


Livro: Nove Regras a ignorar antes de se apaixonar
Os número do amor - livro 1
 Autor (a): Sarah MacLean

Sinopse:
A sonhadora Calpúrnia Hartwell sempre fez tudo exatamente como se espera de uma dama. Ainda assim, dez anos depois de ser apresentada à sociedade, ela continua solteira e assistindo sentada enquanto as jovens se divertem nos bailes. Callie trocaria qualquer coisa por uma vida de prazeres.

E por que não se arriscar se, aos 28 anos, ela já passou da idade de procurar o príncipe encantado, nunca foi uma beldade e sua reputação já não lhe fará a menor diferença? Sem nada a perder, a moça resolve listar as nove regras sociais que mais deseja quebrar, como beijar alguém apaixonadamente, fumar charuto, beber uísque, jogar em um clube para
cavalheiros e dançar todas as músicas de um baile. E depois começa a quebrá-las de fato.

Mas desafiar as convenções pode ser muito mais interessante em boa companhia, principalmente se for uma que saiba tudo sobre quebrar regras. E quem melhor que Gabriel St. John, o marquês de Ralston, para acompanhá-la? Afinal, além de charmoso e devastadoramente lindo, ele é um dos mais notórios libertinos de Londres.

Contudo, passar tanto tempo na companhia dele pode ser perigoso. Há anos Callie sonha com Gabriel e, se não tiver cuidado, pode acabar quebrando a regra mais importante de todas – a que diz que aqueles que buscam o prazer não devem se apaixonar perdidamente.


Livro: Dez formas de fazer um coração se derreter
Os número do amor - livro 2
 Autor (a): Sarah MacLean

Sinopse:
“Uma história arrebatadora, sensual e comovente, que não deixa nada a dever ao primeiro livro. Os personagens nos conquistam e o ritmo perfeito da trama, junto com os diálogos magistrais, multiplica o prazer.” – Romantic Times Book Reviews

Isabel Townsend não é exatamente o que se espera da filha de um conde. Apesar de ter a pele delicada e de saber se portar como uma dama quando necessário, a jovem também monta a cavalo, conserta telhados, administra a propriedade e cria o irmão caçula desde que a mãe faleceu – tudo isso sem despertar a menor suspeita de que não há um homem sequer para cuidar de sua família.

Para o pai dela, que só queria se divertir e gastar dinheiro em jogatinas, pouco importava o que ela fizesse. Porém, quando ele morre, Isabel se vê sem recursos e precisa defender os direitos do irmão, ameaçados pela chegada iminente de um tutor. Assim, não lhe resta saída senão vender sua coleção de estátuas de mármore, o único bem que herdou.

Para sorte sua, um especialista em antiguidades acaba de chegar ao condado. Inteligente e sensual, lorde Nicholas St. John é um solteiro convicto que deixou Londres para se livrar das jovens que passaram a persegui-lo desde que foi eleito um dos melhores partidos da cidade.

Em poucos dias, fica claro para Nick que Isabel é a mulher mais obstinada e misteriosa – além da mais interessante – que já cruzou seu caminho. Ao mesmo tempo, ao conhecê-lo melhor, a independente Isabel percebe que há homens em que vale a pena confiar. Enquanto eles põem de lado suas antigas convicções, seus corações se abrem para dar uma chance ao amor.

“Inteligentes e românticos, os livros deSarah MacLean contêm a simplicidade e o prazer absoluto que só escritores experientes são capazes de proporcionar.

É maravilhoso imaginar as histórias que essa talentosa autora ainda vai criar.” –New York Journal of Books


2 comentários:

  1. Amo a Sarah MacLean, desde que li "9 regras..." dela fiquei cativada e sai atrás de tudo que tinha disponível dela em português! Eu gosto muito de Juliana, ela tem um desamparo e um carisma, eu estive muito ansiosa pelo lançamento desse livro e estou LOUCA para receber dinheiro e poder trazer a conclusão dessa série para casa. Sua resenha foi muito completa, me deixou super ansiosa com vontade de ir na loja Kindle matar a vontade - mas vou me conter, quero os livros físicos na minha estante.

    Jaci
    #DoQueEuLeio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita querida, ficou show a resenha da Ana né! Também amo livros de época, e essa autora é muito boa! grande beijo! :)

      Excluir
:) :,( ;) :D :-/ :? :v X( :7 :-S :(( :* :| :-B ~X( L-) =D7 :-w s2 \m/ :p kk