Resenha : Toda Poesia, de Paulo Leminski


Livro: Toda Poesia
 Autor (a): Paulo Leminski
Editora: Companhia das Letras / Gênero: Poesia
Páginas: 424 / Ano: 2013
Skoob

        Olá gente mais linda! Tudo bem com vocês? Hoje a resenha que trago é deste livro de poesias do Paulo Leminski, um dos meus autores favoritos! Publicado pela editora Companhia das Letras, essa edição, intitulada de Toda Poesia, traz reunidos a maioria de seus escritos, com trechos de variados livros já publicados pelo autor.



        Eu sou fã de carteirinha de poesia, sou tão apaixonada que ás vezes me pego fazendo algumas hahah. E sou grande fã do Paulo Leminski. Suas poesias são na grande maioria muito lúdicas, curtas, sucintas, às vezes sem pé nem cabeça, como realmente nossa vida deve ser. Essa é a beleza da poesia, ela transfigura o dia-a-dia em palavras e torna mais leve o fardo. A poesia brinca com o cotidiano, tentando deixar o banal com uma nova roupagem - uma roupagem mágica de alegria e diversão. 

        
        Leminski é muito isso: ao lê-lo você se pega sorrindo, matando uma charada talvez, refletindo: "há, que idéia mais genial ele teve nestes três versinhos aqui". É assim que me sinto ao ler seus poemas. É uma pena que tenha morrido tão jovem, pois teria nos abrilhantado com ainda mais versos bonitos. 



        Este livro está bem interessante, pois é legal acompanhar as várias fases da escrita do autor. Sem contar que a capa ficou belíssima e dá aquela cor impactante na estante, em meio aos outros livros. Mas poesia é isso mesmo, é cor e a poesia do Paulo é assim toda colorida, ela não tem medo de ser brega, ela simplesmente é. E essa autenticidade dá todo um charme aos seus escritos. A gente bate o olho em um versinho e sabe que aquela ideia doida foi do Leminski. A gente aprecia escritores assim, que deixam verdadeiramente sua marca. Leminski deixou a ele. Agradeço imensamente por isso, por ter tido a oportunidade de conhecer sua obra. Recomendo muito a leitura, esse livro é um achado, pra guardar na prateleira, mas sempre trazer a baile novamente quando quer se alegrar um pouco.    


Sinopse:
Paulo Leminski foi corajoso o bastante para se equilibrar entre duas enormes construções que rivalizavam na década de 1970, quando publicava seus primeiros versos: a poesia concreta, de feição mais erudita e superinformada, e a lírica que florescia entre os jovens de vinte e poucos anos da chamada “geração mimeógrafo”. Ao conciliar a rigidez da construção formal e o mais genuíno coloquialismo, o autor praticou ao longo de sua vida um jogo de gato e rato com leitores e críticos.

Se por um lado tinha pleno conhecimento do que se produzira de melhor na poesia - do Ocidente e do Oriente -, por outro parecia comprazer-se em mostrar um “à vontade” que não raro beirava o improviso, dando um nó na cabeça dos mais conservadores. Pura artimanha de um poeta consciente e dotado das melhores ferramentas para escrever versos.

Entre sua estreia na poesia, em 1976, e sua morte, em 1989, a poucos meses de completar 45 anos, Leminski iria ocupar uma zona fronteiriça única na poesia contemporânea brasileira, pela qual transitariam, de forma legítima ou como contrabando, o erudito e o pop, o ultraconcentrado e a matéria mais prosaica. Não à toa, um dos títulos mais felizes de sua bibliografia é Caprichos & relaxos: uma fórmula e um programa poético encapsulados com maestria.

Este volume percorre, pela primeira vez, a trajetória poética completa do autor curitibano, mestre do verso lapidar e da astúcia. Livros hoje clássicos como Distraídos venceremos e La vie en close, além de raridades como Quarenta clics em Curitiba e versos já fora de catálogo estão agora novamente à disposição dos leitores, com inédito apuro editorial.

O haikai, a poesia concreta, o poema-piada oswaldiano, o slogan e a canção - nada parece ter escapado ao “samurai malandro”, que demonstra, com beleza e vigor, por que tem sido um dos poetas brasileiros mais lidos e celebrados das últimas décadas. Com apresentação da poeta (e sua companheira por duas décadas) Alice Ruiz S, posfácio do crítico e compositor José Miguel Wisnik, e um apêndice que reúne textos de, entre outros, Caetano Veloso, Haroldo de Campos e Leyla Perrone-Moisés, Toda poesia é uma verdadeira aventura - para a inteligência e a sensibilidade.
:) :,( ;) :D :-/ :? :v X( :7 :-S :(( :* :| :-B ~X( L-) =D7 :-w s2 \m/ :p kk

0 comentário

Postar um comentário